O que mudou na ABNT 6023 publicada em 2018?

A ABNT NBR 6023, de referências, foi atualizada e a nova norma já está em vigor desde o dia 14/11/2018.

A nova versão da norma está mais robusta, com 74 páginas, enquanto a anterior de 2002 continha apenas 24.

Abaixo, em destaque algumas mudanças significativas.

Salienta-se que este documento não dispensa a consulta a norma na íntegra.

AUTORES:

uma mudança muito importante nessa nova versão da norma é o item 8.1.1.2, transcrito abaixo na íntegra: “8.1.1.2 Quando houver quatro ou mais autores, convém indicar todos.

Permite-se que se indique apenas o primeiro, seguido da expressão et al.”

Exemplo 1: URANI, A. et al. Constituição de uma matriz de contabilidade social para o Brasil. Brasília, DF: IPEA, 1994.

Exemplo 2: TAYLOR, Robert; LEVINE, Denis; MARCELLIN-LITTLE, Denis; MILLIS, Darryl. Reabilitação e fisioterapia na prática de pequenos animais. São Paulo: Roca, 2008.

AUTORES ENTIDADE: as obras de entidades, que antes precisavam indicar a autoria obrigatoriamente por extenso, agora podem ser tratadas pela forma conhecida ou como está grafado no documento, por extenso ou abreviada.

Exemplo: IBGE. Amparo: região sudeste do Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1983.

SUBLINHADO: Não há mais menção ao sublinhado para substituir autores repetidos.

APRESENTAÇÃO:

as referências devem ser elaboradas em espaço simples, alinhadas à margem esquerda do texto e separadas entre si por uma linha em branco de espaço simples (norma antiga: antes eram separadas entre si por espaço duplo).

INDICAÇÃO DE LINKS:

não há mais a utilização dos sinais < > para mencionar os links.

Exemplo: CONSOLI, R. A. G. B.; OLIVEIRA, R. L. Principais mosquitos de importância sanitária no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 1994. Disponível em: http://www.fiocruz.br/editora/media/05-PMISB.pdf. Acesso em: 4 set. 2009.

A VOLTA DOS ITÁLICOS:

na versão anterior da norma, não se utilizavam itálicos para as expressões como In: que indica parte de uma obra, ou et al. para indicação de mais de 4 autores.

Isso foi revisto e agora as expressões são em itálico.

Veja exemplos:

Exemplo 1: SANTOS, F. R. A colonização da terra do Tucujús. In: SANTOS, F. R. História do Amapá. 2. ed. Macapá: Valcan, 1994. p. 15-24.

Exemplo 2: DANTAS, José Alves et al. Regulação da auditoria em sistemas bancários: análise do cenário internacional e fatores determinantes. Revista Contabilidade & Finanças, São Paulo, v. 25, n. 64, p. 7-18, jan./abr. 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-70772014000100002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519- 70772014000100002&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 maio 2014.

ATENÇÃO: DOI não é um elemento essencial, portanto sua indicação é opcional.

EVENTOS:

foi adicionado colchetes nas reticências que indicam anais. BRAYNER, A. R. A.; MEDEIROS, C. B. Incorporação do tempo em SGBD orientado a objetos. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE BANCO DE DADOS, 9., 1994, São Paulo. Anais […]. São Paulo: USP, 1994. p. 16-29.

O que mudou na ABNT NBR 6023:2018 – Informação e documentação – Referências – Elaboração?

Atualizado: 18 de Nov de 2019

Revisão textual e colaboração de Bianca Santos, graduada em Letras Português, redatora, revisora textual e conteudista.

Parte 1 – O Documento

Depois de 16 anos, a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) edita norma relativa à elaboração de referências. Bem, lidamos com essa norma todos os dias, então, para dar aquela forcinha para quem também precisa dessa ferramenta, fizemos um cotejo da edição de 2002 com a de 2018.

A ABNT NBR 6023:2002 – Informação e Documentação: referências elaboração é composta de 24 páginas, e a 2018 de 68 páginas. Tem-se aí uma ampliação de 44 páginas. São nove os itens apresentados e, com exceção do título Objetivo, que foi modificado para Escopo, e de Definições, que passou a Termos e Definições, todos os demais permanecem inalterados.

O Sumário foi ampliado, e a versão atual apresenta os subitens presentes no documento, com exceção do item 3 – Termos e Definições, que curiosamente não foi incluído. O Sumário agora é numerado. Em relação aos anexos, foi incluído o B – Abreviaturas que se juntou aos já listados na versão 2002: A – Abreviatura dos meses e Índice Remissivo.Houve supressão, substituição e reorganização, que serão analisadas adiante, nos subitens.

O item 3 que tinha 13 subitens agora tem 28; o 4 e o 5 se mantiveram inalterados, do ponto de vista da quantidade; o item 6 foi acrescido de 3 subitens, passando de 7 para 10; o 7 e o 8 sofreram drástica modificação tendo diminuído em 20 subitens, passando de 66 para 46 o primeiro, e o segundo teve diminuição de 31, passando de 53 para 22. O item 9 passou de 4 para 2 subitens.

Parte 2 – O documento (continuação)

Nesta segunda parte da copilação entre a 6023:2002 e a 6023:2018, seguimos apresentando uma visão geral do novo documento em relação ao de 2002. Assim, temos a ampliação do prefácio, que agora conta com breve informação sobre pedidos de patente.

O objetivo/escopo manteve texto tal qual versão de 2002. O item 3 – Referências normativas, que orientam a construção da 6023:2018 agora são outras. Vejamos quadro comparativo.

O item 3 – Termos e definições – teve acrescidos os seguintes subitens: Coleção; Descrição Física; Digital Object (DOI)[1]; Documento Audiovisual; Documento Sonoro; Indicador de Responsabilidade; Jornal; ISBN[2]; ISSN[3]; Página; Pessoa Física; Pessoa Jurídica; Revista e Série. Além disso, ao item Editora, já presente na edição de 2002, foram acrescentadas duas notas, uma que versa sobre que outras designações são permitidas, como produtoras etc., e outra que chama a atenção para que editora não seja confundida com editor. [1] DOI significa Digital Object Identifier, ou seja, identificador de objeto digital. É um padrão para identificação de documentos em redes digitais. Composto por números e letras, é atribuído a um objeto digital para que esse seja identificado de forma única e persistente no ambiente web. Informação disponível em: https://revistas.ufpr.br/atoz/article/view/42369/26039 [2] International Standard Book Number é um sistema internacional padronizado que identifica numericamente os livros segundo o título, o autor, o país, a editora, individualizando-os inclusive por edição. Informação disponível em: http://www.isbn.bn.br/website/conteudo/pagina=6 [3] International Standard Serial Number, sigla em inglês para número internacional normalizado para publicações seriadas, é o código aceito internacionalmente para individualizar o título de uma publicação seriada. Esse número se torna único e exclusivo do título da publicação ao qual foi atribuído. Informação disponível em: http://www.ibict.br/informacao-para-a-pesquisa/issn

Parte 3 – O conteúdo (continuação)

Chegamos à terceira e última parte!

O item 4 – Elementos de referência – manteve os dois subitens e realocou a informação sobre procedimento do rodapé para o corpo do texto.

O item 5 – Localização – manteve-se inalterado quanto aos subitens, mas fez alterações de conteúdo, modificando a alínea b e d, das quais a mais significativa é a inclusão de erratas nas possibilidades de locais onde podem aparecer referências.

O item 6 – Regras gerais de apresentação, que teve três itens adicionados, sendo que o conteúdo significativo fica a cargo de indicação sobre como apresentar documentos online; explicita que as referências devem ser ordenadas em uma única lista, e que informações acrescidas, para além das essenciais, devem ser escritas na língua do texto em elaboração.

No item 7 – Modelos de referência, há significativa ampliação na quantidade de exemplos, e há acréscimo da seguinte informação no subitem “Parte de monografia”: depois dos elementos essenciais, pode-se optar por “Separata de”, além do já previsto na norma de 2002 “In:”. Inclui-se no item 7 o subitem “Correspondência”, que inclui bilhete, carta, cartão e seu consequente correspondência disponível em meio eletrônico, que não inclui e-mail e WhatsApp, pois indica esses meios no item Documento de acesso exclusivo em meio eletrônico, entre outros, e limita-se a exemplificar com correspondência publicada em site.

Inclui “Coleção de publicação periódica” e sua consequente “Coleção de publicação periódica em meio eletrônico”, acrescenta um subitem Fascículo, suplemento e outros, que em nada difere do “Coleção de publicação periódica”. Em “Eventos como um todo” que passou a ser “Evento como um todo em monografia” e “Evento como um todo em periódicos”, além das orientações específicas que incluem os dados do evento e do suporte, a supressão depois de Anais, Proceedings etc. passou a ser apresentada entre colchetes […].

Em “Patente” (7.9), incluiu-se nome do depositante, explicitou-se o que é período de registro (data de depósito e data de concessão da patente – se houver), e acrescentou-se “Patente em meio eletrônico” (7.10).

Em Legislação (7.11.1), deslocou-se Doutrina para o item “Monografia” (7.1 a 7.4), o que faz todo sentido, considerando que doutrina são interpretações de legislação, em geral, organizadas em textos monográficos seja em parte ou no todo. Explicita a orientação acerca da inclusão da epígrafe e ementa nos elementos essenciais. E indica que devem ser inseridas informações complementares, como alterações e revogações. Também prescreve que, em “Epígrafes e ementas demasiadamente longas, pode-se suprimir parte do texto, desde que não seja alterado o sentido”.

Em Jurisprudência (7.11.3), ampliou-se o texto de orientação acerca dos elementos essenciais, enriquecendo-o com dados que identificam mais adequadamente o documento. Além da jurisdição já prevista na norma de 2002, a de 2018 traz: “nome da corte ou tribunal; turma e/ou região (entre parênteses, se houver); tipo de documento (agravo, despacho, entre outros); número do processo (se houver); ementa (se houver); vara, ofício, cartório, câmara ou outra unidade do tribunal; nome do relator (precedido da palavra Relator, se houver); data de julgamento (se houver); dados da publicação”. Além disso, orienta que “Ao final da referência, como notas, podem ser acrescentados elementos complementares para melhor identificar o documento, como: decisão por unanimidade, voto vencedor, voto vencido”.

Acrescenta o subitem Atos administrativos (7.11.5), que inclui decretos, editais, entre outros; “Documentos civis e de cartórios” (7.12). O subitem “Imagem em movimento” é substituído por “Documento audiovisual” (7.13) e teve seu desdobramento em outros dois: “Filmes, vídeos, entre outros” e “Filmes, vídeos, entre outros em meio eletrônico”.

O subitem documento sonoro passou por reformulação na qual foi incluído como elemento essencial “ledor”, que significa leitor, aquele que lê, contudo não apresenta qualquer exemplo com esse elemento. Essa orientação busca contemplar audiolivros.

Foi acrescido “Documento tridimensional” (7.19), que inclui esculturas, maquetes, objetos (fósseis, esqueletos, objetos de museu, animais empalhados e monumentos), entre outros.

No subitem “Documento de acesso exclusivo em meio eletrônico” (7.20), são acrescentadas redes sociais. Incluiu-se uma nota indicando que, para e-mail, ver 7.6, contudo não há menção a e-mail no subitem indicado e tampouco exemplo.

Item 8 – Transcrição dos elementos – traz significativas alterações de prescrição. No subitem que outrora denominava-se Autor pessoal e que, agora, diz-se Pessoa física (8.1.1) sob o guarda-chuva “Indicação de responsabilidade” (8.1), a orientação é de que prenome e sobrenome devem constar como figuram no documento (por extenso ou abreviado). A padronização é indicada somente para quando o mesmo autor for grafado de maneira variada em diferentes documentos.

A NBR mudou o texto referente a “mais de três autores” para “quatro ou mais autores”, e, diferentemente da norma de 2002, indica que convém que todos sejam listados, mas permite que, fora o primeiro, os demais sejam substituídos por et al.

Acrescenta em alíneas como deve figurar nomes hispânicos (ex: GARCIA MARQUEZ), com parentesco (ex: ASSAF NETO), nomes compostos (ex: SAINT-ARNAUD) e com prefixo (ex: LA TORRE).

O subitem (8.1.1.4), para o qual não há título, mantém a orientação sobre a indicação de responsabilidade coletiva (organizador, coordenador etc.), mas altera a forma. Agora, a expressão abreviada deve constar em minúsculas: (org.) (coord.).

O subitem 8.1.1.6 indica a possibilidade de transcrição de outros tipos de responsabilidade na referência, como tradutor, revisor, orientador, ilustrador, entre outros.

Outra novidade é a normatização de obras psicografadas (8.1.1.7), na qual “O primeiro elemento deve ser o nome do espírito”, de obras adaptadas (8.1.1.8), que devem ter o responsável pela adaptação como primeiro elemento, de entrevistas (8.1.1.9), cujo primeiro elemento deve ser o entrevistado.

O subitem Autor entidade foi substituído por Pessoa jurídica (8.1.2) e tem como mudança a forma de apresentação, que passa a ter entrada por seu nome abreviado ou por extenso, conforme aparecer no documento.

A indicação sobre colocar a palavra Estado ou a palavra Município entre parênteses deixa de estar somente no exemplo e passa a ser explicitada pela norma (8.1.2.3).

Foi inserido no item responsabilidades, cremos que por causa da autoria, o subitem “Eventos”, sendo que no item 7 já havia orientação para “Evento”, com as mesma características “obras resultantes de eventos”, contudo o subitem 7.8 não indica como elemento essencial o idioma do documento, mas essa informação está presente no subitem 8.1.3.

O subitem 8.3.2 indica que “A versão de documentos eletrônicos deve ser considerada equivalente ao elemento Edição e transcrita como consta no documento”.

Em relação ao “Local” (8.4), foi acrescentado que, na falta da cidade, pode-se informar estado ou país, desde que conste no documento. Outra novidade é que o sine loco, já previsto na edição de 2002, agora, deve ser diferenciado por maiúscula quando for o primeiro elemento, e por minúscula quando não for o primeiro. A NBR o apresenta com espaço e em itálico. Exemplos: 3. ed. [S. l.]: e Dermatology Online Journal, [s. l.].

No texto do item “Editora” (8.5), a informação de que a natureza jurídica deve ser suprimida, “desde que sejam dispensáveis para identificação”, foi modificada e, agora, a orientação é para que seja “suprimidas as palavras que designam a natureza jurídica ou comercial.”

Ponto e vírgula, agora, são indicados para marcar a separação de quando há duas editoras.

O item 8.5.1 preconiza que para editora comercial homônima a uma instituição, deve-se indicar a palavra Editora ou a abreviatura, como consta no documento.

O texto sobre “Data” (8.6) foi bastante ampliado e deixou de somente indicar a forma do numeral (arábico) para listar as datas que devem ser incluídas na referência: datas da publicação, manufatura, distribuição, execução, transmissão, gravação, acesso, entre outros.

O Mês (8.6.2), quando houver, deve ser mantido no idioma do documento e abreviado conforme Anexo A, que se manteve tal qual o da publicação de 2002.

Já o número do volume, no exemplo, quando composto, figura com barra. Exemplo: v. 53, n. 2/3, p. 204-210, maio/dez. 1996.

Surge nessa publicação o subitem Dia e hora (8.6.3), que deve figurar depois do acesso “se necessário”. Não há explicação sobre a natureza dessa necessidade.

No subitem Unidades físicas 8.7.1, há uma lista de como se pode fazer a descrição física de volumes, páginas etc.

Com era de se esperar, foi acrescentada orientação sobre descrição física para Documento em meio eletrônico (8.7.3), na qual está a “recomendação” para indicar o tipo de suporte ou meio eletrônico em que o documento está disponível; e destaca que “Para redes sociais, especificar o nome da rede e o perfil ou página acessados, separados por dois pontos”. Exemplo: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Sistemas de armazenagem. São Paulo, 19 set. 2017. Facebook: ABNT Normas Técnicas @ABNTOficial.

O item “Coleções” (8.10) traz uma nota sobre que tipo de materiais uma coleção pode reunir.

Foi inserido o subitem “Trabalhos acadêmicos” (8.12), mas somente reporta o leitor aos itens já apresentados em 7. O subitem 8.13 explicita a forma de apresentação de informações sobre acesso: Disponível em: e Acesso em:

Vale lembrar que, na norma de 2002, não havia explicitação dessa orientação, contudo, em seus exemplos, os links eram disponibilizados entre aspas francesas, o que não ocorre na de 2018.

No item 9 – Ordenação das referências, as mudanças significativas são a retirada das orientações sobre traço sublinear para o mesmo autor em várias obras e para mesmo título de várias edições. Entendemos que essa mudança foi implementada para possibilitar indexação de textos citados. O subitem “Sistema alfabético” (9.1) agora indica que, na ordenação alfabética, havendo numerais, devem ser empregados em ordem crescente; o subitem “Sistema numérico” (9.2) sofreu a retirada da orientação acerca de o sistema numérico não poder ser utilizado concomitantemente com notas de referência e notas explicativas.

A orientação “Quando necessário, acrescentam-se elementos complementares à referência para melhor identificar o documento.” está incluída de maneira geral ao longo de todos os itens do novo documento.

Podemos atribuir o aumento significativo no número de páginas ao volume de exemplos, agora disponibilizados, à inserção de orientações acerca de meios eletrônicos, como era de se esperar, e a outros dispositivos que, atualmente, fazem parte dos meios informacionais, como audiolivros, por exemplo.

Ufa!

Seguimos!

No dia 14/11/18, foi publicada a norma ABNT NBR 6023:2018.

Essa norma aborda a elaboração de referências em trabalhos acadêmicos (TCC, dissertação, tese, etc.). A versão anterior era de 2002 e realmente necessitava de  muitos ajustes, principalmente para as versões eletrônicas de documentos.

Assim, o Mundo Bibliotecário quer saber:

Qual sua maior dificuldade na hora de fazer referências conforme a ABNT?

Deixe um comentário que vamos responder com modelos e exemplos a partir da ABNT NBR 6023:2018.

***

Veja abaixo algumas das mudanças já publicadas no Mundo Bibliotecário:

Como fazer referência de blog (ABNT NBR 6023:2018)?

Pontuação e autoria na ABNT NBR 6023:2018

Ainda existe o traço sublinear (underline) na norma ABNT NBR 6023:2018?

Como fazer referência de games com a ABNT NBR 6023:2018?

A ABNT NBR 6023:2018 dispõe sobre quais formas de organização das referências?

ABNT NBR 6023:2018: é necessário referenciar a epígrafe?

Fontes cosnsultadas:

http://mundobibliotecario.com.br/index.php/2018/11/19/abnt-nbr-60232018-referencias-o-que-mudou/

YHAN COSTA STUDIO DE BELEZA

SALÃO ESPECIALIZADO EM CABELOS FEMININOS

DIÁRIO MENTAL FEIRA DE SANTANA

Site que focaliza divulgar informações, estudos e eventos na área da Saúde Mental

Deivisson Lopes Informação, Comunicação & Entretenimento

INFORMAÇÃO EM PRIMEIRO LUGAR: NA NOSSA FRENTE, INTERNAUTA, SÓ VOCÊ.

YHAN COSTA STUDIO DE BELEZA

SALÃO ESPECIALIZADO EM CABELOS FEMININOS

DIÁRIO MENTAL FEIRA DE SANTANA

Site que focaliza divulgar informações, estudos e eventos na área da Saúde Mental

Deivisson Lopes Informação, Comunicação & Entretenimento

INFORMAÇÃO EM PRIMEIRO LUGAR: NA NOSSA FRENTE, INTERNAUTA, SÓ VOCÊ.

%d blogueiros gostam disto: